Alfabeto - parte I

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Sempre sentava no fundo. Talvez para ter uma visão privilegiada da sala, além de compartilhar, risos, brincadeiras, e algumas cochiladas com a "galera do fundão". Todos os dias o via, dava um abraço bem apertado nele, e retribuia com um beijo na bochecha. Diferente de mim, ele sempre sentava na frente, não que isso significasse inteligência, mas era raro ele sentar no fundo. Certo dia, anotando concentradamente os dizeres do quadro de alguma aula da qual não me recordo muito bem, vejo com o canto do olho alguém se inclinando como se quisesse falar algo, era ele:
- Sabe o que eu tava lembrando?
- O quê?
- De quando agente tava na 6ª série e trocávamos várias mensagens no celular.
Olhei espantada, com o súbito assunto puxado, mas respondi com alegria:
- Ah, claro que eu lembro. Minha mãe até escondeu meu celular porque eu gastava todos os meus créditos contigo.
- Era? haha, não sabia disso.
- [...]
- Eu fiquei doidinho pra ficar contigo naquela época, eu até era "BV".
- É, eu também era, e também fiquei...
- Ficou o quê?
- Doidinha pra ficar contigo.
- Olha só. Agente aqui revelando coisas...
- Pra você ver como é...

E o silêncio foi feito entre nós, continuei com minhas anotações do quadro e ele também, cantando a parte de uma canção da qual nós gostamos: "se nada está tão bem, só estou perdendo tempo, só me responda agora... eu te feliz, todo esse tempo que esteve aqui...". Depois calou-se acho que criando coragem para me dizer...
- Eu ainda sou doidinho pra ficar contigo.
Olhei com espanto. Dei um riso que era meio de espanto, meio de vergonha, meio incrédulo, meio presunto, meio calabresa.
- É sério, queria ficar contigo ano passado, antes dele (?) ficar com você.
- Ah é muito.
- É sério, fica comigo.
- Desculpe, não posso.
- Claro que pode. Porque não poderia?
- Por vários motivos... Você é da mesma sala que eu, não dá certo.
- Mas eu não quero namorar contigo, só quero te pegar!
- Aí é que tá, eu quero namorar. E você acabou de terminar um relacionamento. E eu já tenho a sua letra.
- Minha letra?
- É, oras.
- Como assim, "minha letra"?
- Sabe o alfabeto? quero completar o alfabeto com a primeira letra dos nomes dos garotos. E a sua eu já tenho.
- Ah, que nada, repete a letra.
- Não. Só quando eu completar.
- Você é uma puta...
- Porquê? Só porque eu tenho sua letra? Grande idiota, você.
- Não. Você é uma puta de uma esperta.
- Porquê?
- Porque você nem deu a desculpa de que "eu não fico porque eu não gosto de você"...
- Não vejo nenhum mérito nisso.
- Mas eu vejo. Você é esperta a ponto de não cair meu "joguinho". Nem tem mais graça, eu errei na minha lábia e acabei soltando o "quero te pegar, e não namorar", e me surpreendeu quando disse que queria completar o alfabeto, nunca tinha escutado isso a maioria das garotas não são assim.
- Eu não sou como as outras garotas.
- Definitivamente, é bem esperta.
- Não, eu não sou esperta, eu sou muito pior.
- Porquê não?
- Porque nada do que eu te falei é verdade.


E verdade seja dita, é tudo mentira.

4 escritos:

Waldir disse...

Haha, adorei o texto mayara ..

é você mesma que faz ? pq ficou muito bom .. adorei mesmo ..

e aproveitando a visitinha, fica um beijão pra você :*

Bruna disse...

adorei o texto. Muito esperta mesmo. ;) o melhor fora que eu já vi.

orkut, querida *:

Charlatões disse...

uma pizza: metade presunto, metade calabresa.

I,J,K...

haha!

Lucas disse...

odiei