Soneto do ex-cafajeste

domingo, 7 de outubro de 2007

Da vida mundana quero esquecer
Consumia tudo o que podia e não devia
Entregue às tentações do vício e do prazer
Aceitando amores que o mundo me concebia

Lua se fez testemunha dos beijos que dei
Tantas juras de amor jogadas ao vento
Junto com as paixões que desperdiçei
Me levaram ao desalento

Tantas me carregavam em seu pensamento
Corações despedaçados e noites acordadas
Dando início ao meu julgamento

Já não era tão fugaz minha vida de delícias
O fim de minha insensatez começou
E destinos de perderam sem malícias

3 escritos:

Charlatões disse...

ex é ex rapaz,

Júnior Borges (ou Borges Júnior) disse...

hahuauhaha
muito bom isso daí!
uma vez eu fiz um soneto, mas dá muito trabalho, contar as sílabas tal...
vou até tentar fazer outro.

:*, 4x4

contact disse...

poeminhas tchalalalala